Mãe feliz, pai feliz: bebé feliz. O sentido da nossa família

Mãe feliz, pai feliz: bebé feliz. O sentido da nossa família

Ago 24, 2020

A felicidade tem uma dimensão demasiado grande para ser explicada por palavras. Antes de ser mãe, se me perguntassem se era feliz, eu dir-vos-ia que sim. Mas agora sei que estaria, em parte, enganada. Ou então não… Era e sentia-me feliz dentro das circunstâncias em que estava a minha vida.

Mesmo acreditando que a felicidade é momentânea e que passamos por várias fases na nossa vida às quais atribuímos maior ou menor felicidade, desde que o João Maria nasceu eu nunca mais deixei de ter um verdadeiro sentido na minha vida. Ou seja, é agora que vejo um caminho de verdade, alguém por quem lutar, alguém que ultrapassa toda e qualquer coisa que possa existir. Tudo passou a ser encarado de forma diferente.

E é melhor do que alguma vez imaginei… É como vos digo: todas as mães e pais me diziam isso, mas é tão difícil explicar por palavras que, por mais que vamos dizendo a outras mulheres e homens o quão é maravilhoso ser pai e mãe, só mesmo vivenciando 😍 

Concordam?

Fotografia captada por @piccola_stories

A premissa «mãe e pai feliz: bebé feliz» é de verdade a que consideramos que faz parte de nós enquanto família. Imediatamente após lhe ter explicado que mensagem gostava de vos passar neste artigo, a Dulce da @piccola_stories planeou e concretizou a sessão da nossa família. Conseguiu tão bem retratar nestas fotografias a mensagem que lhe pedi…😍 Somos verdadeiramente uma família feliz. Se somos perfeitos? Hummm… Claro que não!🤔

Existem famílias perfeitas? Precisam de existir? É óbvio que não! Somos felizes à nossa maneira, com os nossos defeitos e virtudes. Mas sobretudo com a disponibilidade que dedicamos uns aos outros. E é essa disponibilidade, esse amor e essa alegria que queremos passar ao nosso filho.

Continuo a achar que, antes de ser mãe já era mulher e antes de ser pai, o meu marido já era homem. Precisamos de cuidar de nós, de manter certos hábitos que nos fazem sentir bem. Não é porque me sinto tão preenchida por o meu filho existir, que não devo sentir-me também bem comigo mesma, cuidar de mim, do meu corpo, da minha aparência… De tudo aquilo que me fazia sentido antes de ser mãe… Para que me sinta plenamente bem devo manter os hábitos que me faziam tão bem antes ❤️

Só assim acredito ser possível passar ao meu filho felicidade. Passar-lhe a minha pessoa em plenitude. Ter total disponibilidade para ele, em todos os momentos que passamos juntos. E sabem o que tenho realmente a certeza hoje? Que uma simples folha é suficiente para fazer o meu filho feliz. Não preciso de lhe dar um brinquedo de muito valor económico. Uma folha, um tapparwere, uma tampa, uma bola… Qualquer coisa o faz feliz, desde que nós, mãe e pai, brinquemos com ele. Um de cada vez, juntos, um separado do outro… Seja como for! Mas brinquemos! Demonstremos tempo e disponibilidade para o nosso filho.

Acima de tudo, a mensagem que quero deixar-vos hoje é: não existem famílias perfeitas e que, para termos bebés felizes temos de nos sentir bem conosco próprios, dedicarmo-nos a nós, sermos e demonstrarmos-lhes felicidade. Não necessáriamente referindo-me à mãe e ao pai como dois seres unidos. Claro que isso é o ideal! Mas a vida não são só ideais e as famílias perfeitas não existem! São muitas as famílias monoparentais hoje em dia, e não é por isso que os bebés não são felizes.

MÃE FELIZ, PAI FELIZ: BEBÉ FELIZ

E desse lado, o que têm feito para cuidarem de vocês mulheres e de vocês homens? De vocês casal? E de vocês família?

Tag:

2 Comments

  1. Tânia

    Reply

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

× Podemos ajudar?